Leitura da Bolsa 01.04.2019

Leitura da Bolsa 01.04.2019

Ibovespa futuro sobe mais de 1% com cena externa positiva e espera por Previdência

Depois de fechar a sessão da última sexta-feira com valorização, o índice futuro do Ibovespa começa a semana com ganhos de 1,37% aos 96.675 pontos, seguindo a cena externa positiva. O mercado segue atentos as questões comerciais entre Estados Unidos e China e as negociações para o avanço da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados.
O setor industrial da China voltou inesperadamente a crescer em março pela primeira vez em quatro meses, em um sinal de que as medidas de estímulo do governo podem estar lentamente ganhando tração, mostrou nesta segunda-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras do Caixin/Markit.
O PMI de indústria do Caixin/Markit expandiu no ritmo mais forte em oito meses em março, subindo a 50,8 de 49,9 em fevereiro, acima da marca de 50 que separa crescimento de contração.
No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) acelerou a alta a 0,65 por cento em março de 0,35 por cento em fevereiro, com pressão dos preços de Transportes.
A Fundação Getulio Vargas (FGV) informou nesta sexta-feira que o grupo de Transportes passou a subir 1,22 por cento em março, de variação negativa de 0,01 por cento no mês anterior.
Nos próximos dias, serão divulgados os números da produção industrial brasileira de fevereiro e também o índice de preços ao consumidor da Fipe. Nos Estados Unidos, destaque para o indicador de vendas do varejo e o PMI industrial, na segunda-feira, os pedidos de bens duráveis na terça-feira, dados do mercado de trabalho do setor privado na quarta-feira, e os dados oficiais do desemprego e vagas geradas no país em março, na sexta-feira.

 

Azul e IRB Brasil entram na prévia do Ibovespa de maio; Log é retirada

 

A B3 acrescentou as ações da Azul (SA: AZUL4) e IRB Brasil (SA:IRBR3) na primeira prévia do índice Bovespa que vai vigorar entre os meses de maio e setembro de 2019, além de retirar os papéis das Log Commercial. Desta forma o Ibovespa deve passar a ser composto por 66 ativos.
Itaú Unibanco (SA:ITUB4) terá o maior peso da carteira teórica, com 10,281%, seguido de Vale (SA:VALE3) com 9,889%, Bradesco (SA: BBDC4) PN, com 8,680%, Petrobras PN (SA:PETR4) com 7,695%, Petrobras ON (SA:PETR3) com 5,251% e Ambev (SA:ABEV3) com 4,632%.
Na carteia que ainda está em vigor, Itaú Unibanco tem peso de 10,802%, Vale de 10,775%, Bradesco PN de 8,571%, Petrobras PN com 7,208%, Petrobras ON com 5,016% e Ambev com 4,843%.

 

Petróleo atinge maiores alta de 2019

No mercado de commodities, os preços do petróleo bruto subiram para os seus níveis mais altos do ano, uma vez que uma melhoria surpreendente na atividade industrial chinesa apoiou o apetite por ativos ligados ao crescimento.
Contratos futuros do petróleo bruto West Texas subiram 58 centavos, ou cerca de 1%, ficando em US$ 60,72 o barril, nível não visto desde 12 de novembro.
Os contratos futuros do petróleo Brent estavam cotados a US$ 68,61 por barril, um aumento de US$ 1,03, ou cerca de 1,5%.
Os preços do petróleo têm sido bem apoiados nas últimas semanas, em meio a sinais de que a produção liderada pela Opep também reduziu, assim como as sanções americanas contra a Venezuela e o Irã, que ajudaram a apertar um o mercado com excesso de oferta.

Fonte:
investing.com