Leitura da Bolsa 28.03.2019

Leitura da Bolsa 28.03.2019

PIB dos EUA no 4º tri – estimativa final

Após uma série de relatórios econômicos abaixo do esperado, a leitura final do quarto trimestre do crescimento norte-americano será o principal evento para os mercados financeiros, com os investidores observando mais sinais sobre a força da economia.
O Departamento de Comércio dos EUA deverá divulgar os números revistos sobre o crescimento econômico do quarto trimestre às 9h30.
Espera-se que os dados mostrem que a economia tenha crescido em taxa anual de 2,4% nos três últimos meses de 2018, revisada para baixo de uma estimativa preliminar de 2,6%. O crescimento foi de 3,4% no terceiro trimestre do ano passado.
Há também os pedidos semanais de seguro-desemprego às 09h30 seguido pelos dados mais recentes sobre as vendas pendentes de imóveis às 11h00.

Discursos de membros do Fed

Os agentes do mercado também estarão muito atentos a comentários feitos por integrantes do Federal Reserve, em busca de indícios sobre a perspectiva de política monetária nos próximos meses.
O vice-presidente do Fed Richard Clarida, dos Governadores Randal Quarles e Michelle Bowman, do presidente do Fed de St. Louis, James Bullard estão prontos para comentar sobre a maior economia do mundo em eventos separados ao longo do dia.
Na semana passada, o Fed sugeriu que nenhum aumento da taxa seria feito este ano – depois de indicar em dezembro que dois poderiam ocorrer. O banco central também indicou que pretende encerrar a redução de seu enorme balanço de US$ 4,2 trilhões até setembro.

Petrobras contrata linha de crédito compromissada de US$3,25 bi

A estatal Petrobras (SA:PETR4) informou que assinou contrato junto a 18 bancos para uma linha de crédito compromissada (“revolving credit facility”) no valor de 3,25 bilhões de dólares, com vencimento em março de 2024, podendo ser prorrogado em até dois anos.
Em comunicado, a petroleira disse que o contrato permite efetuar saques da linha até o mês anterior ao vencimento, assim como prevê possibilidade de saque de até 1 bilhão de dólares para prestação de contra garantia, com foco em fianças judiciais, em garantais bancárias no Brasil.

Ibovespa futuro abre com ganhos após cair quase 5% na quarta-feira

Depois de fechar com queda de quase 5% na sessão de ontem, o índice futuro do Ibovespa abre a jornada desta quinta-feira com alta de 0,76% aos 91.255 pontos. O mercado espera um clima mais tranquilo no campo político depois das novas discussões públicas entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.
Os Estados Unidos e a China avançaram em todas as áreas sob discussão nas negociações comerciais, com um movimento sem precedentes em questões delicadas como transferência forçada de tecnologia, mas ainda existem pontos controversos, disseram à Reuters na quarta-feira autoridades dos EUA.
O representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, chegam a Pequim nesta quinta-feira para nova rodada de negociações com autoridades chinesas para trabalhar no acordo que pode acabar com meses de guerra comercial. O encontro, que será seguido de uma rodada em Washington na próxima semana, é a primeira reunião frente a frente que os dois lados realizam em semanas.
A alta dos preços no atacado e varejo acelerou e o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) passou a subir 1,26 por cento em março, após encerrar fevereiro com avanço de 0,88 por cento, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira.
O Banco Central piorou sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil a 2,0 por cento em 2019, contra 2,4 por cento antes, citando a fraqueza observada na atividade no fim do ano passado, consequências da tragédia de Brumadinho (MG) e menor perspectiva para a safra agrícola neste ano.
Em seu Relatório Trimestral de Inflação, publicado nesta quinta-feira, o BC apontou que o ritmo mais fraco de recuperação econômica teve um papel menor nas suas reestimativas sobre os demais fatores.

Dólar supera R$4,00 após abertura com tensão renovada no governo e preocupação com Previdência

O dólar abriu com forte alta ante o real nesta quinta-feira e chegou a superar o patamar de 4 reais longo na abertura, com tensões políticas entre Executivo e Legislativo de volta ao foco, o que eleva a preocupação em relação à reforma da Previdência.
Às 9:11, o dólar avançava 0,86 por cento, a 3,9884 reais na venda, tendo batido a marca de 4,0165 reais logo nos primeiros negócios. O dólar fechou pela última vez em 4 reais em outubro do ano passado.
Na véspera, a moeda teve em alta de 2,27 por cento, a 3,9545 reais na venda. O dólar futuro caía 10,5 por cento.
O Banco Central anunciou que realizará nesta quinta-feira leilão de até 1 bilhão de dólares em operação de venda de moeda com compromisso de recompra, buscando colocar dinheiro novo no mercado e amenizar a pressão no dólar.
Também fará leilão de até 14,43 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de abril, no total de 12,321 bilhões de dólares.

Fonte:
investing.com